O western enquanto tradição inventada

20/03/2014

Image

Hobsbawm em O Caubói Americano: um mito internacional? texto presente no seu recente Tempos Fraturados (2013) já enfatizava o aspecto mítico da figura do cowboy. Uma leitura que vem desde Jean Louis Rieupeyrout e André Bazin no já clássico O Western ou o Cinema Americano por Excelência. Quando surge, pois, gênero tão popular? Qualquer genealogia do gênero localiza sua origem no processo de expansão da fronteira americana (1840-1890). Sua principal característica sendo o conflito entre civilização e selvageria

Um período marcadamente imperialista dos Estados Unidos. Um discurso que efetivamente atravessou os debates políticos, a antropologia, além de enformar a literatura e a pintura do período. Uma tradição inventada, um mito que elegeu o ordinário americano colonizador como o herói e creditou o Outro, genericamente identificado como índio como o atraso ao progresso. Imagens que transitaram dos diversos veículos desse gênero em crescente popularidade no final do século XIX e chegam até o cinema. 

Se, como diria Gordard “o cinema é uma preocupação do século XIX resolvida no século XX”, podemos pensar que a ideologia em torno de um dado sentido atribuído ao gênero western no século XIX será resolvida no cinema western no século XX. De Edwin Porter e Griffith, passando por Ford e chegando até Leone e Peckinpah, o western encontrou no cinema, o veículo de maior exploração de suas possibilidades. Não há como negar o impacto do gênero nos mais variados aspectos da comunidade imaginada americana no século XX. Ou melhor, suas imagens constituem um patrimônio inegável na cultura histórica americana. O western cria, pois um passado imperfeito, sujeito à leituras triunfalistas, ou pensando na sobrevivência dos vaga-lumes (que desde muito antes brilhavam na escuridão de um discurso hegemônico), buscava uma revisão crítica da história americana, da imagem do Outro tantas vezes exposta no cinema.

 

Mesmo com o crepúsculo do gênero por volta dos anos 1960, é possível notar inúmeras metamorfoses dessa tradição inventada. Mas aí, já entramos a procurar (seachers) em outra jornada…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: